Uma triste realidade da educação teológica no Brasil

Mentiras evangélicas

Nível de comprometimento dos evangélicos em relação ao ensino teológico.

Por Robson F. Chagas.

As igrejas estão sendo dirigidas por líderes que apresentam um conhecimento teológico muito superficial, chegando ao medíocre, da Bíblia Sagrada. 

Os evangélicos, através de suas denominações históricas, investiram muito em educação. Prova disso são os colégios, as faculdades, os seminários e as universidades que tiveram e continuam a ter uma grande influência no Brasil. Batistas, presbiterianos, metodistas e luteranos são as denominações de vanguarda na educação.  (Borges Filho, 2008)

A educação no Brasil sempre foi marcada pelos desgovernos e políticas imediatistas. A cada eleição observamos os candidatos se apoiarem na tríade: educação, segurança e saúde.

Todos estão comprometidos em eliminar as distorções e proporcionar ao povo brasileiro um índice de qualidade a nível internacional.

Citam várias experiências que deram certo em alguns países fazendo uma verdadeira apologia. Como também acusam o governante atual pelos caminhos errados que estão seguindo.

Mas, após a posse, nenhuma providencia é tomada e muitas vezes o que já era ruim piora. E as promessas são esquecidas até a próxima eleição.

Todos os países que estiveram na mesma situação medíocre do Brasil somente conseguiram melhorar quando tornaram a educação como meta número um de governo e realizaram um grande investimento num planejamento em longo prazo.

Podemos citar, por exemplo, a Alemanha, o Japão, a França que são países que foram totalmente destruídos na 2ª Guerra Mundial e hoje são potências econômicas.

Atualmente vemos a Coréia do Norte com o mesmo pensamento.

No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em vigor atualmente (LDB 9394/96), também conhecida por Lei Darcy Ribeiro, é uma tentativa de resgatar o compromisso político e social com a educação brasileira.

A educação teológica no Brasil não poderia seguir outro caminho.  Apesar da proliferação de escolas teológicas em todo país observamos que o caminho seguido pela maioria é baseado no pensamento capitalista de Benjamin Franklin: “The time is Money” (O tempo é dinheiro).

O capitalismo traz o consumo imediatista. Quanto mais rápido o retorno menor o investimento e maior o lucro.

Veja a quantidade de cursos de teologia “fast-food” que são divulgados na internet.

Não há como aplicar isto quando se trata de educação, ainda mais quando falamos de uma educação teológica de qualidade ou reino de Deus.

A teologia evangélica cristã deveria ser baseada no princípio da salvação de almas, isto é, todos os ensinamentos bíblicos deveriam indicar a importância do tema e que o próprio Jesus fez menção: Mas, não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus. (Lucas 10:20)

O conhecimento é uma dádiva que não pode ser roubada. Um sábio reconhece o valor da sabedoria: “Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu possuidor.” (Eclesiastes 7:12)

Mesmo o Senhor bradando através do profeta Oséias 4.6 parece que não há despertamento:

O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos. 

Alguns dizem: estamos na graça e não precisamos dar atenção a lei, mas o apóstolo Paulo deixou registrado: “E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom”. (Romanos 7:12)

O Novo Testamento deixa bem claro o valor da educação religiosa na carta de Paulo aos Gálatas. O apóstolo afirma que o professor deveria ser honrado por seus alunos, até mesmo financeiramente: “E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui”. (Gálatas 6.6)

Mas, infelizmente, isto não tem acontecido e muitos citam erroneamente a passagem em que Jesus disse para dar de graça aquilo que receberam de graça e que por falta de conhecimento bíblico não identificam no contexto que Cristo falava sobre a salvação.

Então, os professores de ensino teológico deveriam ter um destaque muito grande na igreja. Devemos lembrar-nos de honrar não somente aqueles que trabalham em seminários, mas, principalmente, aqueles que labutam na Escola Bíblica Dominical, pois é o departamento de educação bíblica de maior importância.

A pesquisa

Se o ensino teológico é tão importante, existindo tantos professores e escolas teológicas que se dedicam a esta área, então qual o nível de comprometimento de um aluno interessado no conhecimento bíblico?

Devido a grande quantidade de igrejas em nosso país e o número crescente de evangélicos surgiu à hipótese de que o evangélico brasileiro é uma pessoa focada no conhecimento.

A pesquisa foi dividida em 2 fases.

1ª Fase

Baseado nesta teoria o Instituto Teológico Monte das Oliveiras, atual Instituto Evangélico Moriá Logos, desencadeou a 1ª fase da pesquisa e durante os dias 01/12/2015 e 31/01/2016 disponibilizou 3 cursos que poderiam ser realizados totalmente gratuitos.

Os cursos são os mais procurados pelos alunos interessados em uma formação na área de teologia: Curso Básico de Teologia composto de 3 períodos, Curso de Capelania e o Curso de Introdução a Missiologia (Missões).

O tempo de conclusão seria de 90 dias, isto para o Curso de Capelania e para o Curso de Introdução a Missiologia (Missões), e bem como para o 1º Período do Curso Básico de Teologia.

Não havia nenhuma exigência para gratuidade.

2ª Fase

Para realizar uma comparação entre os dias 01 e 20/02/2016 foi liberada a 2ª fase da pesquisa onde os mesmos cursos com uma condição chamada de Benção Especial onde os alunos, depois de matriculados teriam até 10 dias para confirmar a matrícula, mediante a doação de R$ 5,00 para obra de missões (Junta Missionária Portas Abertas) e como consequência o curso seria totalmente gratuito.

Os alunos poderiam realizar sua matrícula, acompanhar o curso, contatar os professores e solicitar qualquer tipo de apoio desejado.

Toda uma infraestrutura tecnológica e pedagógica de última geração foi colocada a disposição do corpo discente que ainda contemplou os alunos que já estavam matriculados.

Exigência pedagógica

Existia apenas uma regra específica: o aluno não poderia deixar de acessar o campus virtual por mais de 7 dias corridos. Isto significa que o aluno deveria “comparecer” a escola uma vez por semana. Não precisaria “ficar” na escola por mais de 5 segundos. Apenas entrar, dizer “oi” e sair.

Nem tudo que reluz é ouro…

Os dados iniciais da 1ª fase foram promissores. Na 1ª fase foram 543 matrículas efetivadas gratuitamente, sendo 373 para o 1º Período do Curso Básico de Teologia, 116 para o Curso de Capelania e 64 para o Curso de Missões. Isto foi motivo de alegria e comemoração.

Uma triste realidade…

1ª Fase

Dos 373 matriculados no 1º Período somente 3 solicitaram a matrícula no 2º Período e 2 no 3º Período. Estes 2 concluíram com aproveitamento.

Dos 116 matriculados no Curso de Capelania somente 1 concluiu com aproveitamento e dos 64 matriculados no curso de missões ninguém concluiu.

Isto significa que somente 0,55% dos matriculados concluíram o curso.

Menos de 1%. É uma estatística assustadora.

2ª Fase

A 2ª fase foi pior ainda. Quando se falou em um pequeno investimento para melhorar o ministério cristão a coisa saiu do controle. Poucas inscrições e nenhuma confirmação de matrícula.

A pesquisa refletiu o compromisso que o cristão tem com o aprendizado sistematizado das Escrituras Sagradas.

Conclusão

Podemos analisar a situação da seguinte maneira:

1 – O índice de abandono dos cursos de teologia é muito alto.

2 – Falta comprometimento com a educação teológica cristã.

3 – As pessoas serão facilmente enganadas em truques doutrinários, se desviando gradativamente da Verdade.

4 – Ensinos desviados da sã doutrina têm levado a uma falsa adoração nas igrejas.

5 – A igreja aceita e permite entre seus oficiais (pastores, evangelistas, presbíteros, diáconos, etc…) pessoas sem qualificação.

6 – Neófitos consagrados ao pastorado sendo enganados com facilidade. Veja a recomendação de Paulo aos Efésios: Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. (4:14)

7 – Heresias diversas. Leia em 2 Timóteo 4:3,4: Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

8 – Doutrinas estranhas à Bíblia sendo ensinadas como se fossem verdades, como por exemplo, teologia da prosperidade, culto aos anjos, etc… Muito investimento em objetos “ungidos” da teologia neopentecostal e pouco investimento no conhecimento.

9 – O amor ao dinheiro permeia o coração do homem.

Vale a pena parar e refletir.

Infelizmente, muitas igrejas evangélicas estão sendo lideradas por pessoas totalmente despreparadas. Muitos pastores que estão à frente de igrejas evangélicas, não apresentam um conhecimento bíblico sólido e amadurecido. Devido este motivo, as ovelhas destes pastores acabam adquirindo um conhecimento muito superficial, e até mesmo infantil, das Escrituras Sagradas. (Gospel10, 2012)

 

Referências bibliográficas

BORGES FILHO, Julio.  Os Evangélicos e a educação no Brasil, https://monografias.brasilescola.uol.com.br/pedagogia/a-relacao-entre-cristianismo-educacao.htm, acesso em 17/12/2008.

GOSPEL10. A triste realidade de muitas igrejas evangélicas, http://www.gospel10.com/artigos/artigo–a-triste-realidade-de-muitas-igrejas-evangelicas–1239, acesso em 12/03/2016.

 

 

(*) ROBSON F. CHAGAS – Formado em Pedagogia, História e Teologia. Especialista em Docência do Ensino Superior pela UCB. Pós-graduado em Psicopedagogia e Orientação Educacional pela UFRRJ. Mestre em Pedagogia Cristã. Diretor do Instituto Evangélico Moriá Logos (Instituto Teológico Monte das Oliveiras) e Presidente do Ministério Deus é Vida.

Palavras-chaves: conhecimento bíblico, formação teológica, Bíblia Sagrada, estudo de teologia.

Apoio: Convenção de Ministros e Igrejas Evangélicas Agregadas – COMEMDV